Conhece “Path to Freedom” – A revolução da Permacultura!

São os Darvaes, o pai, Jules e os filhos Justin, Anais e Jordanna. Vivem a quinze minutos de Los Angeles, a 30 metros da autoestrada principal e num décimo de um hectare produzem 8,1194€ de alimentos orgânicos por ano. Fornecendo 90% da sua alimentação, precisando só de gastar 9,28€ por dia em outros alimentos básicos, conseguindo ainda ganhar mais de 17,9133€ por ano ao vender os produtos em excesso.

 Como? Utilizam métodos de permacultura que imitam a Mãe Natureza, criam um solo rico em nutrientes e bactérias.

 Os métodos convencionais de agricultura retiram os nutrientes do solo até que a terra se torna estérildesertificada, a permacultura não só não tira os nutrientes da terra, como também regenera o solo.

 Quando Jules Dervaes se mudou para sua casa em 1985 não havia solo, apenas argila.

 Durante anos os Darvaes foram tentando trazer a terra de volta à vida com pó de rocha,  estrume de galinha e cabra, composto fermentado e microrganismos eficazes. Não utilizam fertilizantes orgânicos desde 2007 e nunca usaram fertilizantes sintéticos.

 Eles tiram o máximo proveito do espaço com uma versão modificada da jardinagem de metro quadrado a que chamam de “jardinagem de polegada quadrada“.

 As plantas de 2,5cm ou mais, são semeadas o mais próximo possível para evitar a evaporação do solo e economizar água.

 Os Darvaes acreditam que o solo nunca deve estar nu e exposto aos elementos. Ignoram as recomendações de espaçamento nas embalagens das sementes e colocam-nas o mais próximo possível dos arranjos simbióticos.

 “Vegetais maiores, como brócolos ou pimentos, são plantados com um tapete de verdurasalface, rúcula etc., por baixo. O tapete verde actua como uma cobertura morta, evitando as ervas daninhas e mantendo o solo húmido“.

Com isto não se faz apenas um uso mais eficiente do espaço, como requer menos manutenção. Enquanto os Darvaes escrevem “sem fileiras, sem enxadas“. É tudo feito à mão, excepto por uma de suas ferramentas favoritas, uma fabricante de blocos de solo. Isto permite que novas mudas sejam iniciadas em blocos de solo, prontas para substituir as colheitas anuais assim que a estação terminar.

 O fundador do Path to Freedom, Jules Dervaes, disse que sabia que queria voltar ao país desde a Guerra do Vietnam e não tinha noção de que sua revolução começaria em Pasadena, na Califórnia, não pretendia morar numa casa fixa para sempre pois levava um estilo de vida bastante alternativo, mas uma seca severa nos anos 90 levou-o a começar o jardim que o mantinha ali.

 O seu relvado custava-lhe muita água, muito dinheiro e muito tempo. Decidiu tomar uma posição cobrindo o relvado da frente com “algo útil”.

 Darvaes diz que estava apenas “a brincar” quando soube que os AGM (alimentos geneticamente modificados) tinham entrado nas cadeias alimentares em 2001. Depois disso, como o próprio diz “ficou um pouco louco” e decidiu descobrir a quantidade de comida que podia cultivar no seu pequeno lote. Ele queria hectares, mas não podia esperar por isso e decidiu trabalhar com o que tinha.

 De momento produzem também o seu próprio biodiesel e a casa funciona praticamente toda a energia solar.

 “Não fiques há espera que os outros mudem, começa por te mudares a ti mesmo.
 O governo não consegue fazê-lo e as empresas nunca o farão. Portanto, tudo o que temos que fazer é olharmos para nós, apontarmos o dedo na nossa direcção e fazer a pergunta: O que é que eu posso fazer?
 Porque a mudança começa em mim.”– Jules Darvaes.